fabricacion aiditiva
set 24, 2018 blogsadm Soldadura e corte Sem comentários

Quais são os gases envolvidos no fabrico aditivo?

Esta semana, no blog da Nippon Gases, vamos abordar o tema do fabrico aditivo metálico, também conhecido como “impressão 3D”, que pressupõe um processo tecnológico que — recentemente e graças à tecnologia de fibra laser — se tem vindo a tornar cada vez mais acessível ao registar uma rápida expansão. A definição mais básica e acertada seria fazer referência a um conceito genérico relativo a um método de fabrico que consiste em adicionar camadas do material em questão até chegar à forma pretendida.

Quais os gases utilizados no fabrico aditivo?

Para produzir os pós metálicos necessários para realizar este tipo de fabrico de materiais, é habitual utilizar árgon a fim de obter uma atmosfera o mais inerte possível. As elevadas temperaturas necessárias para a atomização do pó fazem com que o oxigénio e até o azoto reajam com muitos materiais avançados, chegando a produzir óxidos e nitretos metálicos prejudiciais que darão origem a inclusões e outras deficiências no produto final.

O processo de impressão 3D pressupõe um aquecimento e a fusão localizada dos metais. Durante esta fusão e o subsequente arrefecimento, o material pode ser sujeito à ação de agentes químicos, bem como de esforços térmicos. O árgon impede a oxidação do metal ou outras reações, limitando o impacto dos esforços; adicionalmente, o árgon pode ser adicionado a outros gases a fim de criar misturas especiais, consoante as necessidades.

Por outro lado, o azoto pode ser utilizado em processos de atomização com gás nos quais os metais atomizados sejam de natureza menos refratária ou não reajam dando origem a nitretos. Também pode ser usado como parte do ciclo de recirculação para gases mais caros, como o árgon e o hélio.

Da mesma forma, com muitos materiais, o azoto pode ser usado para prevenir a oxidação do metal durante o processo de impressão 3D. Este gás tem a vantagem de ter um custo inferior comparativamente a outras alternativas e é apropriado para processos de tratamento de materiais menos reativos.

No nosso caso, os pós de fabrico aditivo são uma especialidade. As nossas instalações de fabrico de pó são líderes no sector e combinam os mais elevados níveis de tecnologia, capacidade e qualidade. Contamos com um departamento exclusivamente dedicado à produção desde pós metálicos e cerâmicos até pós esferulados de fluxo livre atomizados com gás, passando pelo desenvolvimento de fórmulas químicas e calibres personalizados, bem como assistência à obtenção de homologação como material de nível aeroespacial.

Se pretender obter mais informações sobre o fabrico aditivo, pode contactar um dos nossos especialistas clicando aqui.