Soldadura MIG
nov 17, 2017 blogsadm Soldadura e corte Sem comentários

Introduçao e propiedades dos gases e o arco elétrico

Estamos habituados a ler que a missão básica de um gás de proteção de soldadura é a de proteger o banho de fusão da atmosfera circundante. Esta definição é totalmente simplista e limitada, apesar de ser a mais difundida em livros e manuais, sendo por vezes ampliada com a observação “proteger o banho de fusão contra a humidade e a oxidação do ar circundante”, mas sendo ainda assim uma abordagem totalmente limitada. O primeiro motivo para duvidar desta abordagem é o facto de ter como base que um gás de proteção geraria uma atmosfera inerte que protegeria um banho de fusão, extremamente reativo por ser um metal líquido, do ar e da sua contaminação, evitando fenómenos como a oxidação com o O2, reações indesejáveis com o H2 presente na sua humidade ou que o protegeria de impurezas presentes no ar, como o CO2, hidrocarbonetos, etc.

Se assim é, ¿porque é que a nossa gama comercial de gases e misturas de proteção pode apresentar na sua composição os componentes presentes no ar e nos seus contaminantes como O2, N2, CO2 e H2? Como, por exemplo, a nossa linha Hydrostar, na qual utilizamos o H2, ou as nossas misturas Stargon, nas quais utilizamos O2, CO2 e N2 para melhorar os resultados de soldadura e a produtividade do processo.

A explicação a isto é extensa e digna de um manual que apresentaremos neste post e que iremos partilhando consigo, capítulo a capítulo, para transmitirmos os nossos conhecimentos e, sobretudo, para que compreenda a grande influencia que um gás de proteção pode ter sobre a produtividade e qualidade do nosso processo de soldadura. Trata-se de “O grande manual dos gases de proteção da Nippon Gases”.

Neste post apresentamos a introdução e o capítulo 1, que se centra na explicação das propriedades dos gases e o arco elétrico. Apresenta um conteúdo fundamental para compreender posteriormente a incidência dos gases de proteção nos diferentes processos de soldadura.Porque começar com as propriedades elétricas do arco? A soldadura por arco pode ser simplificada como um processo no qual se funde o material através da conversão de energia elétrica em energia calorífica. É o arco elétrico que permite esta transformação e aplicação de energia calorífica sobre o material base e/ou o material de adição, permitindo a sua fusão. O meio que cria e suporta o arco é um gás de proteção ionizado. Portanto, pode concluir-se que a relação entre a dinâmica elétrica do sistema de soldadura (fonte de potência) e as propriedades elétricas do gás de proteção é fundamental e determinará o funcionamento de um processo de soldadura por arco.

Este capítulo, depois de explicadas as propriedades elétricas do arco e o gás, é complementado com uma descrição de outras propriedades do gás com influência na soldadura, tais como a pureza, reatividade, etc.

Por último, enumeram-se os gases utilizados em soldadura e as respetivas propriedades. Com esta informação estará preparado para, nos capítulos seguintes, compreender como cada processo de soldadura por arco está relacionado com o gás de proteção.

Aceda ao artigo completo clicando aqui.